Nordeste – O Brasil que estuda sua própria História

Os estudantes da região conquistaram 58 medalhas, das 75 distribuídas na ONHB.

Foto- Facebook

Por Gustavo Medeiros

Na edição deste ano da Olimpíada Nacional de História do Brasil (ONHB), os alunos da região Nordeste foram responsáveis pela conquista de 58 medalhas das 75 distribuídas pelo evento, que está na sua 11ª edição e é realizado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Se comparado ao desempenho do ano passado (onde 59 medalhas foram conquistadas das mesmas 75 distribuídas), nada mudou e isso diz muito sobre a qualidade do ensino de história nos nove estados nordestinos, na qualificação dos professores, e na metodologia, ou seja,na forma de ensinar.

No nordeste a História do Brasil é levada a sério e a termo. Posso dizer isso por experiência própria,pois tenho , em meu convívio diário e passado (não tão distante), tenho visto experiências de como o entendimento analítico de fatos que ocorreram pode transformar um individuo e uma sociedade.

Resultado Final da ONHB. Reprodução- Facebook

O ensino de história proporciona um cidadão pensante, crítico e consciente dos problemas a serem enfrentados ao analisar o passado e refleti-lo no presente. Este é o temor das grandes elites, o direito a cidadania por meio de uma leitura consciente da realidade refletida no passado.

Desta forma, os 58 nordestinos medalhados na ONHB provaram que aqui se reflete, se estuda a sociedade atual com base na história, compreendendo a formação social através do processo histórico e que isso vai além de querer seguir carreira na área, atuando na pesquisa ou no ensino.

A história inspira e instrui, educa e reflete. O Brasil precisa de nordestinos que usam a disciplina como inspiração e o nordeste,mais uma vez, salva o país quando mostra que é necessário preservar o pensamento crítico e a história, enquanto força motriz deste movimento imprescindível.

Diante das 58 conquistas que salvam o Brasil de uma hecatombe geral em terras campineiras, podemos dizer que a resistência está na história e o nordeste, neste sentido, se reafirma como núcleo deste movimento, se sobrepondo ao culto a ignorância propagada pelo olavismo.

Diante de tantos retrocessos vistos e sentidos a cada dia, um dia, quem sabe, o nordeste e a história salvarão este país. O futuro,por sí só, assim dirá.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s