Insights do Cotidiano

Por Priscilla Fraga

A Casa de Hóspedes

O ser humano é uma casa de hóspedes.
Toda manhã uma nova chegada.

A alegria, a depressão, a falta de sentido,
alguma percepção momentânea
surge como um visitante inesperado.

Receba e entretenha a todos!
Mesmo que uma multidão
de dores invada violentamente
sua casa e leve embora os seus móveis,
trate cada  hóspede  respeitosamente.
Ele pode estar  preparando
você para um  novo prazer.

O pensamento negativo, a vergonha,
a malícia – encontre-os à porta  com um sorriso
e os convide a entrar.

Agradeça a quem vem,
porque cada um foi enviado
como um guardião do além.

Jalal Ad-Din Rumi (1207-1273)

Ei! Você! Anda se constituindo de que?

Em meio a ser, uma casa de hóspedes tão intensos e rasos, nos deparamos e vivenciamos todos os dias em um mar revolto de emoções e, nos é questionado e colocado a prova a cada instante, o que é esperado fazer.

Por calar o corpo sente, mas se por vezes não aceitarmos esses hóspedes respeitosamente, não correspondemos ao que é esperado de nós, por nós e em nós e, em meio a esse conflito e essas provocações, deixamos a oportunidade de aprender a ser resilientes, atitude de sobrevivência tão necessária no mundo atual.

Visto que o ser humano se constitui como pessoa através de um outro, os vínculos que são formados em termos de afetividade, vão desenhar os comportamentos apreendidos a partir dessa construção e desconstrução na vivencia, porque por vezes precisamos filtrar o que é imposto pela sociedade e descobrir o que nos constitui como pessoa, quais são os meus valores? O que eu acredito? Qual a minha verdade?

Aceitar ou não aquilo que é ofertado pelo outro se constitui a partir desses vínculos, dotados de emoções, deixamos de perceber o que Fritz Perls (1893-1970) aponta; “A verdade só pode ser tolerada se descoberta por conta própria”, pois a nossa percepção é o que vai configurar as nossas experiências sobre o agir e atuar no mundo.

Complexo isso? Viver é complexo, mas quando você começa a se responsabilizar pelas suas experiências, escolhas e ações, tomando consciência da forma que percebemos o mundo, podemos discernir como maior clareza como interpretar o ambiente e como reagir a ele.

Denso? Provocativo? Espero que meu objetivo em fazer você refletir tenha sido alcançado!

Conta para mim quais as sensações que você sentiu ao ler!

Beijos no coração e até breve!

Fontes utilizadas:

*A experiência de vida.

* COLLIN, Catherine [et. al]. O livro da psicologia. Trad. Clara M. Hermeto e Ana Luisa Martins. São Paulo: Globo, 2012.

*ZIMERMAN, David E. Os quatro vínculos: amor, ódio, conhecimento, reconhecimento na psicanálise e em nossas vidas. Porto Alegre: Artmed, 2010.