Café com pimenta

Por Juliana Barbosa

Anna Carolina de Souza Neves, de 8 anos, foi baleada na cabeça no bairro Parque Esperança, no município da Baixada Fluminense. Ela estava no sofá de casa. O crime foi na madrugada desta sexta-feira (10).

Segundo a Polícia Militar, não havia operação na região em que Anna Carolina foi baleada. A família informou à corporação que disparos foram ouvidos pouco antes de a menina ser atingida.

De acordo com a polícia, agentes foram abordados por moradores quando passavam pela Avenida Joaquim da Costa Lima. Em seguida, o pai de Anna Carolina de Souza Neves apareceu carregando a menina nos braços até a viatura, que levou a criança até o Hospital de Saracuruna. No local, ela não resistiu aos ferimentos.

O corpo de Anna Carolina estava no Instituto Médico Legal de Duque de Caxias, na mesma região, na manhã desta sexta-feira (10). 

A Secretaria de Estado de Vitimização informou que estava em contato com os familiares da criança e ofereceu auxílio, assistência social e psicológica aos parentes. Ela é a 3ª vítima de bala perdida no estado do RJ este ano.

Não é possível falar do assassinato de Anna Carolina sem lembrar de Ágatha Félix, também morta aos 8 anos, no complexo do alemão, dentro de uma Kombi, quando voltava pra casa com a mãe, também numa sexta feira, no dia 20 de setembro de 2019.

Ambas mortas pelo estado. Mortas por aqueles que deveriam protegê-las. Vítimas da necropolítica.

Em 2019, seis crianças foram assassinadas na região Metropolitana do Rio.

Não, poderia simplesmente fazer a nota e pronto. Precisava colocar no papel todo repúdio, toda dor, toda lástima de perceber que este ano não tem nada de novo. Toda vez que uma criança é atingida por uma bala disparada pelo estado, a notícia é de que o corpo que encontrou essa “bala perdida” é um preto, pobre e periférico.

E, para os governantes, é só mais um CPF cancelado.

Feliz ano novo para quem? Novo? Como!? Onde? Feliz?

Café com pimenta

Por Juliana Barbosa

Arte: Clarissa Fersi

Em Janeiro de 2019, o governador de São Paulo, João Dória, afirmou que “a polícia vai atirar para matar”. Deixou claro qual seria a intenção das ações da PM.

1º de Dezembro. De acordo com a ouvidoria da PM, cerca de 5 mil pessoas estavam num baile funk, festa de rua comum na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo.
PARAISÓPOLIS! Remete ao paraíso!
Mas, sabemos que a realidade está longe disso.
Uma ação da Polícia Militar – daquelas que o Dória se referia em Janeiro, no Baile da 17 (nome da rua)um dos mais conhecidos, terminou com nove pessoas mortas na madrugada deste domingo. De acordo com a PM, policiais da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) entraram na comunidade durante uma perseguição a homens armados fugindo com motocicletas. A versão oficial também diz que os suspeitos atiraram contra a polícia.

Um morador da comunidade que também estava no baile funk disse que “essa foi uma das piores” ações da PM na favela. Segundo ele, “a 17 é bem concentrada em uma rua encruzilhada, e eles [PMs] chegaram pelas quatro ruas, por isso não tinha para onde correr”.

O morador contou que tinha “viatura para todo canto”. Em outros bailes, a única opção usada pelos frequentadores de escapar das ações truculentas da PM, segundo o morador, “sempre foram as vielas, mas desta vez os policiais desceram e foram atrás”.

Conforme os primeiros registros sobre as mortes no 89º Distrito Policial (Portal do Morumbi), quando os PMs entraram na comunidade usaram “munições químicas” para dispersar o baile funk. Os frequentadores teriam atirado garrafas e latas nos PMs, o que teria iniciado a confusão.

Acompanhem a linha de raciocínio: Dois suspeitos se escondem entre 5 mil pessoas. Para encontrá-los, a polícia joga uma bomba de gás na multidão, tiro de borracha, cassetete e munições químicas, numa encruzilhada SEM SAÍDA. Pensa.

É um exemplo da necropolítica. Esta suposta guerra contra o tráfico é uma cortina de fumaça para matar a população PRETA e PERIFÉRICA.
O grande consumo de drogas está nos condomínios de luxo; os barões do pó estão espalhados pela elite. Aquelas pessoas que morreram PISOTEADAS? Eis os nomes:

Gustavo Xavier, 14
Marcos Paulo Oliveira, 16
Dennys Guilherme dos Santos, 16
Denys Quirino, 16
Luara de Oliveira, 18
Bruno Gabriel dos Santos, 22
Eduardo Silva, 21
Mateus dos Santos Costa, 23
Gabriel de Moraes, 20

E antes de se distrair com um babaca falando alguma bobagem sobre o rock, ou outro pateta desviando atenção para um ator de Hollywood, se liga!

O salário mínimo vai pra R$ 1031,00.
Correto? Vamos devagar, sou de humanas.
Se dividirmos isso por 30 (equivalente a 1 mês), da R$ 34,36 por dia. Ou seja: a diária de um trabalhador não vale 1kg de carne, nem um lanche no Mc Donald.
Gás de cozinha R$90,00
Carne o kg R$41,00
Dólar R$4,28
30 ovos R$12,00 – Atenção com os de R$10,00 alguns estão vindo podres.

Bate panela, dança coreografia com camisa da CBF e faz arminha, que o “perrengue” passa.

Fontes: El País: exame; Veja